Cadastre-se

Formação Continuada de Professores

Para melhorar a prática docente uma alternativa é a formação continuada de professores.
Para melhorar a prática docente uma alternativa é a formação continuada de professores

Não tem como falar em educação de qualidade sem mencionar uma formação continuada de professores; que já vem sendo considerada, juntamente com a formação inicial, uma questão fundamental nas políticas públicas para a educação.

A escola está desempenhando vários e novos papéis na sociedade atual; este vem sendo um campo de constante mutação, e o professor tem um papel central: é ele o responsável pela mudança de atitude e pensamento dos alunos. O professor precisa também estar preparado para os novos e crescentes desafios desta geração que nunca esteve tão em contato com novas tecnologias e fontes de acesso ao conhecimento (o que inclui a internet), como hoje.

Além disso, em sua formação inicial possivelmente houve alguns aspectos deficitários, pois um exame do histórico da formação inicial em nosso país mostra que ela não vem sendo bem-sucedida na maioria das vezes. Os cursos de licenciatura são considerados ineficientes para a formação de professores realmente capacitados para ensinar.

Para, pelo menos, minorar estes efeitos e melhorar a prática docente, algo que inúmeros estudiosos desta área apontam como alternativa é a formação continuada de professores. Segundo Schnetzler (1996, 2003), para justificar a formação continuada de professores, três razões têm sido normalmente apontadas:

[...] a necessidade de contínuo aprimoramento profissional e de reflexões críticas sobre a própria prática pedagógica, pois a efetiva melhoria do processo ensino-aprendizagem só acontece pela ação do professor; a necessidade de se superar o distanciamento entre contribuições da pesquisa educacional e a sua utilização para a melhoria da sala de aula, implicando que o professor seja também pesquisador de sua própria prática; em geral, os professores têm uma visão simplista da atividade docente, ao conceberem que para ensinar basta conhecer o conteúdo e utilizar algumas técnicas pedagógicas. (SCHNETZLER e ROSA, 2003, p.27)

Esta formação continuada, conforme Caldeira (1993) citado por Cunha e Krasilchik, não se esgota somente em um curso de atualização, mas deve ser encarada como um processo, construído no cotidiano escolar de forma constante e contínua (CUNHA, KRASILCHIK, 2000, p.3).

No entanto, observa-se que na realidade não é isso o que ocorre na formação continuada de professores. Ela se dá geralmente com cursinhos de curta duração, simpósios, reuniões e também por outras ações que têm como princípio a prática da autoformação e da formação colaborativa entre professores (MALDANER e NERY, 2009), nos quais não se rompe com a racionalidade técnica. Esta é uma concepção errônea da formação continuada, e “mantém o professor atrelado ao papel de ‘simples executor e aplicador de receitas’ que, na realidade, não dão conta de resolver os complexos problemas da prática pedagógica” (SCHNETZLER, 2000, p.23). Portanto, estes cursos de formação continuada, da mesma forma que os cursos de formação inicial, vêm sendo considerados insatisfatórios.

A Universidade tem também um papel de compromisso com a formação continuada dos docentes que já atuam no ensino de ciências. As instituições universitárias se limitam a ensinar o futuro professor a tomar decisões que visam a aplicação técnica de conhecimentos científicos, como se assim fosse possível solucionar problemas da vida real.

Apoiando-se no pensamento de Schön, Rosa e Schnetzler (2003) defendem que para romper com a racionalidade técnica, uma possibilidade é a ideia de parceria colaborativa. Nesta parceria colaborativa, a partir da interação entre pares que assumem papéis específicos no processo, a reflexão e a intervenção na realidade se viabilizam.

Uma nova proposta de epistemologia da docência dada pela prática de bons profissionais é a perspectiva do professor reflexivo. É uma prática que vem ganhando bastantes adeptos e que enfrenta alguns obstáculos, mas que é necessária para uma prática docente eficaz.

Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química
Equipe Brasil Escola

  • quarta-feira | 02/05/2012 | Terezinha Fern...

    Enquanto o poder público, responsável pela educação no Brasil, não aprender que as teorias dos pensadores que nunca entraram em uma sala de aula lotada de escola pública, não resultam em ensino de qualidade, nada mudará. Os cursos de pedagogia não priorizam a prática, os estágios são ridículos e nós, depois de formados, temos que "nos virar" e aprender sem a ajuda de ninguém "apanhando". Se nos culpam pelo fracasso da educação, eles deveriam antes olhar seus próprios erros e redefinir a grade curricular dos cursos superiores pois, os tão famosos educadores e pensadores formularam teorias que pouco ajudam para o que vivenciamos hoje. Saber que elas existem sim, basear um curso completo nelas é, no mínimo, incompetência. Bem, ninguém mais quer estudar pedagogia mesmo! Tá tudo bem.

  • terça-feira | 16/09/2014 | Deborah
    0 0

    Terezinha,uma sugestão a vc....sai da educação!!!! imagina você pensar que os maiores intelectuais da educação não fazem diferença para a carreira do professor....ta na hora de procurar outra coisa p ocupar seu tempo....Só mesmo aqui na educação que se tem gente como vc!!!

Brasil Escola nas Redes Sociais