Cadastre-se

Influências da história em quadrinhos na educação

A literatura infantil no mundo ocidental surgiu na França, em 1697, com os “Contos da Mãe Gansa”, criados por Perrault, são suas as histórias: A Bela Adormecida no Bosque, Chapeuzinho Vermelho, O Barba Azul, O Gato de Botas, As Fadas, A Gata Borralheira, Henrique do Topete e o Pequeno Polegar.

A principal função dessas histórias era de trabalhar valores, defender os direitos intelectuais e sentimentais das mulheres, além de divertir as crianças.

As histórias não eram feitas somente para as crianças, pois antes do século XVII elas não eram percebidas como um ser singular, mas um adulto em miniatura. Ao final do século XVII passaram a ser percebidas como uma pessoa que tem ingenuidade, graciosa, além de serem consideradas objeto de distração para adultos.

Em meados do século XVIII esse conceito passou a ser criticado em todas as camadas da sociedade, levando assim a aparecer os primeiros escritores de temas infantis, surgindo uma literatura voltada para as crianças como manifestação desse novo sentimento.

Desde a pré-história, os desenhos eram usados como forma de contar fatos, chamados pinturas rupestres, considerados precursoras das histórias em quadrinhos. Porém, as histórias em quadrinhos só surgiram na metade do século XIX, através do italiano Ângelo Agostini, radicado no Brasil, com “as aventuras de Nhô Quim”, publicada em 30 de janeiro de 1869. Logo passaram a ter publicação em jornais, sendo proliferadas e alcançando maior número de leitores. Nas primeiras décadas os quadrinhos eram essencialmente humorísticos, e essa é a explicação para o nome que elas carregam ainda hoje, comics (cômicos).

Em 1905, apareceu a revista “Tico-Tico”, feita para crianças, trazendo a publicação das “Aventuras do Gato Felix”.

O Brasil teve excelentes quadrinhistas, mas o público preferia os quadrinhos importados, de super-heróis americanos, como Batman, Capitão América, Fantasma, Mandraque, o que impediu que os nossos quadrinhos perdurassem no mercado.


Maurício de Souza
e personagens da Turma da Mônica

Somente em 1959 a história em quadrinho se fixou no Brasil, com os personagens Bidu e Franjinha, criações de Maurício de Souza. Em 1960 o artista criou o Cebolinha, três anos depois sua turma começou a crescer, apareceu o Cascão, o Horácio, o Chico Bento, o Astronauta e o fantasminha Penadinho. O seu principal personagem, a Mônica, foi criado em 1965, uma menina poderosa, que se relaciona bem com os amigos, com certa agressividade e pouca paciência. Por levar uma vida pouco doméstica e submissa, rejeita o papel tradicional designado para as mulheres, chegando a criar discussões se poderia classificar a obra como um quadrinho feminista. Esses são alguns dos mais de cem personagens da galeria do autor.

A história em quadrinhos, por ser um meio de comunicação em massa, provoca um grande fascínio nas crianças, em razão da aparência dos personagens, do poder da Mônica, pelos personagens terem tornado-se garotos propaganda e pelas crianças poderem entendê-las somente através da observação dos desenhos.

Assim, vemos uma nova função da história em quadrinhos, afetando a educação do público infantil, em face da transmissão de ideologias, por trabalhar conceitos de vida e morte, alegria e tristeza, medo, insegurança, luta, agressividade, timidez, dentre outros tão importantes para quem se encontra em formação, ampliando assim os conhecimentos sobre o mundo, que a vida social exige.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

Sugestões Pais e Professores - Educador - Brasil Escola

  • quarta-feira | 02/04/2014 | willanny

    esse site e otimo tem varias coisas falando da turma da monica

  • quarta-feira | 01/04/2009 | Thaís

    Prabéns , eu amei .. esse site ta otimoo !

  • quinta-feira | 05/03/2009 | loojhgt

    amei este site

Brasil Escola nas Redes Sociais