Cadastre-se

Agressões na Sala de Aula

É comum profissionais da educação terem contato com crianças e adolescentes agressivos, tanto na escola como um todo quanto na sala de aula.

Esse tema tem tido grande repercussão, pois estatísticas mostram que esse tipo de conduta tem aumentado dentro das instituições educativas.

Professores que lidam com crianças conseguem contornar esses problemas de forma mais fácil, pois os pequenos se intimidam diante das regras e combinados estabelecidos pelo grupo.

Além disso, quando acontecem brigas entre as crianças, o professor tem condições físicas de separá-los e tomar atitudes para que o respeito prevaleça no ambiente escolar.


Brigas entre crianças é mais fácil de controlar

Já no caso de adolescentes o problema se torna mais intenso, pois além de não aceitarem bem as regras, desafiam os professores a todo instante. Alguns chegam a agredi-los com palavrões, xingamentos ou partindo para as agressões físicas.

É claro que os professores não vão revidar, pois isso poderia causar maiores problemas, podendo levar o caso a ter registro em delegacia.

Quando isso acontece a direção da escola tenta amenizar o problema pedindo o afastamento do professor, remanejando-o para outra instituição, a fim de não comprometer a instituição, bem como preservar a integridade física do professor envolvido, já que muitos alunos participam de grupos de gangues e armam ciladas para pegar o professor fora da escola.

O importante é que a escola, no início do ano letivo, faça uma leitura do seu regimento interno com os alunos, a fim de mostrar quais as conseqüências de atitudes agressivas, discutindo de forma democrática sobre os direitos e deveres dos alunos, bem como da instituição.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

Veja Mais!
Ensino Médio - ingresso sofrido 
O estresse causado desde as séries iniciais, visando o vestibular.

Sugestões Pais & Professores - Educador - Brasil Escola

  • quinta-feira | 23/06/2011 | Eliane Pires

    Boa tarde a todos os meus colega compreendem a importancia da abordagem de um assunto que nos causa tanta tristeza. Tenho 47 anos sou professora desde os meu 16 anos e amo minha profissao, mas deixei de ser professora ha 10 anos e nao posso admitir que a populacao nao entenda a gravidade dessa situacao. De coracao eu espero que a NOSSA PROFISSAO (PROFESSOR) seja extinta, extinta no sentido de NAO ter mais ninguem DISPOSTO a pagar o popular PATO, por LEIS RIDICULAS, E RETROGRADAS que protegem adolescente, jovens e pior pais que sabem que nao serao penalizados por agredir um PROFISSIONAL TAO IMPORTANTE para o MUNDO. Alias o UNICO PROFISSIONAL QUE POR QUAlQER MOTIVO PERDE O DIREITO DE EXERCER A PROFISSAO Q ESCOLHEU.

Brasil Escola nas Redes Sociais