Cadastre-se

Analfabetismo no Brasil


O Brasil tem cerca de 16 milhões de analfabetos

Não é de hoje que se sabe que o índice de analfabetismo no Brasil ainda é grande, tendo milhões de analfabetos acima dos 15 anos de idade.

Isso é uma realidade causada pelos modelos de educação arcaicos, sem inovações, que tolhem a capacidade criativa dos sujeitos, gerando insegurança e insatisfação pessoal.

Convencidos de que não adianta continuar na escola, muitos estudantes se afastam da mesma por pura falta de motivação, por não acreditarem que são capazes de vencer.

O medo domina as sensações prazerosas do aprender, pois repetências anteriores, exposições diante dos colegas, humilhações dentro da sala de aula coíbem o sujeito, demonstrando que ele não é capaz.

No Brasil ainda existe a concepção de que os menos favorecidos não têm condições de aprender, devendo aceitar que são a mão de obra pesada e barata do país, estando às margens da nossa pirâmide social.

Para melhorar essa visão, a escola deve manter uma política educacional voltada para atender a diversidade, através de planos de ação que valorizem as habilidades e potencialidades de cada um. Seria mesmo identificar o que cada um tem de bom, em quê cada qual pode colaborar com as experiências e crescimento do grupo.

Dessa forma, preocupados com a defasagem do ensino, buscando qualificar o trabalho docente, voltam-se para a motivação desses alunos, dando oportunidade aos mesmos, inserindo-os num grupo que está mais adiantado.

Além disso, não se pode descartar a realidade social em que cada um vive. Muitas crianças ficam paralisadas porque não recebem atenção necessária, outras são alvos de agressões, outras sofrem abusos sexuais, algumas têm que trabalhar para sustentar suas famílias, etc.

A escola precisa considerar todos esses aspectos e muitos outros, repensando seus valores, buscando diminuir as diferenças entre os alunos, identificando porque uns aprendem e outros não.

Segundo pesquisas do Ministério da Educação, no Brasil são 16 milhões de analfabetos, pessoas que não conseguem sequer escrever um bilhete. Já os que não chegaram a concluir a 4ª série do ensino fundamental I, somam 33 milhões, concentrados em 50% no norte e nordeste do país.

Dessa forma, podemos questionar como acontecerá o crescimento social e econômico do país se não temos política educacional consistente?

É preciso repensar para mudar!

Por Jussara de Barros
Pedagoga
Equipe Brasil Escola

Política Educacional - Educador - Brasil Ecola

  • sábado | 01/02/2014 | TÂNIA RE...

    Parabéns, pelo seu artigo. Consciente e claro, sobre a triste realidade que tornou-se o processo ensino/aprendizagem em nosso país. Estou iniciando um blog: Catalano na Educação e ficaria muito feliz de contar com sua opinião, orientação e postagem de seus artigos. Faço da profissão DOCENTE, MINHA VOCAÇÃO! Grande abraço, luz e sinergia em seu caminho.

  • quinta-feira | 03/04/2014 | luciano
    2 0

    Jussara gostei muito do seu artigo 3

  • sexta-feira | 31/01/2014 | Francisco Paul...

    Achei ótimo este comentário

  • domingo | 02/06/2013 | Kauany

    esse texto é perfeito para o meu trabalho de geografia

Brasil Escola nas Redes Sociais