Cadastre-se

Uso de fontes históricas nas aulas de História

A utilização de fontes históricas nas aulas de História é cada vez mais recorrente, por isso é preciso saber usar metodologicamente tais documentos.

A utilização de fontes históricas nas aulas de História pode deixar as aulas mais atrativas para alunos e professore
A utilização de fontes históricas nas aulas de História pode deixar as aulas mais atrativas para alunos e professore

Quase sempre quando nos lembramos das aulas de História (para quem já concluiu o Ensino Médio e para os alunos cursistas), pensamos na figura de um (a) professor (a) que “planejava” suas aulas com atividades de resumos intermináveis, além de datas e nomes que tínhamos de decorar.

Esse exemplo de aula citado acima se pautava em um ensino de História classificado como ‘tradicional’. Sabemos que a grande maioria dos professores atualmente já se desvencilhou dessas aulas ‘enfadonhas’, entretanto sabemos que elas ainda estão presentes na realidade de muitas escolas.  

No presente texto iremos propor a utilização de fontes históricas escritas em sala de aula. Nossa pretensão não é fazer com que os alunos analisem as fontes históricas como um historiador profissional o faz, mas propor uma aproximação com o trabalho do historiador para aguçar sua curiosidade, criatividade e capacidade de reflexão e análise.

Sabemos que a partir do surgimento da Escola dos Annales (escola historiográfica), na França, na década de 1930, o entendimento e a compreensão das fontes históricas se desenvolveram bastante e tal escola passou a utilizar pinturas, fotografias, filmes, móveis, roupas e músicas como fontes históricas. Anteriormente aos Annales, os historiadores utilizavam recorrentemente, em suas pesquisas, as fontes escritas, principalmente os documentos ditos ‘oficiais’ (documentos de governos, administrativos). Pós-Annales, a noção de documento escrito também se ampliou: passou-se a recorrer às cartas, diários íntimos, jornais, receitas culinárias, entre outros.

 A inovação das fontes históricas proposta pela Escola dos Annales ampliou o universo das pesquisas históricas realizadas pelos historiadores. Consequentemente, aumentou as possibilidades de o professor trabalhar em sala de aula com variados temas, como, por exemplo: o estudo das doenças, epidemias, a história da alimentação, as festas típicas, entre outros.

O trabalho com fontes históricas em sala de aula requer cuidados, pois todo documento histórico expressou uma versão de um determinado fato ou momento. Para utilizar boas metodologias, o professor precisa construir um roteiro de análise para os alunos.

Antes de utilizar o documento seria necessário que os alunos conhecessem o contexto histórico no qual o documento foi produzido. Para isso o professor teria que explicá-lo para os alunos ou solicitar uma pesquisa sobre o autor do documento (o professor solicitaria ou uma pesquisa para casa ou levaria os alunos para o laboratório de informática). Essa pesquisa levaria o aluno a conhecer as aspirações e visões de mundo do autor do documento.

Após a realização dessa etapa (conhecer o contexto histórico da fonte histórica e do seu autor), o professor pode entregar o documento (cópia) para os alunos (sempre entregar o recorte do documento, ou seja, trechos do documento).

Posteriormente, o professor pode entregar também o roteiro de análise, que norteará a compreensão do documento. Para tanto, esse roteiro pode ser dividido, segundo Bittencourt (2008), em três fases:

1ª) Sobre a existência do documento: o que vem a ser o documento? O que é capaz de dizer? Como podemos recuperar o sentido do seu dizer? Por que tal documento existe? Quem o fez, em que circunstâncias e para que finalidade foi feito?

2ª) Sobre o significado do documento como objeto: como e por quem foi produzido? Para que e para quem se fez essa produção? Qual é a relação do documento com o seu contexto histórico? Qual a finalidade e o que comanda a sua existência?

3ª) Sobre o significado do documento como sujeito: por quem fala tal documento? De que história particular participou? Que ação e pensamento estão contidos em seu significado? O que fez perdurar?

Realizada a produção do roteiro de perguntas sobre o documento, o aluno expressará sua interpretação sobre o fato ou contexto histórico estudado. Depois de utilizada essa metodologia em sala de aula, o aluno irá não somente adquirir conteúdo, mas também elaborar conhecimento.

 Ressaltamos a importância de o professor utilizar sempre mais de uma fonte histórica de diferentes autores sobre o mesmo fato ou contexto histórico. Feito isso, os alunos irão compreender que a história é uma interpretação dos historiadores e que não existe uma história ‘verdadeira’, mas interpretações e versões sobre o passado.


Leandro Carvalho
Mestre em História

Artigos relacionados

  • terça-feira | 06/08/2013 | Telma Regina G...

    Olá, Gostaria de obter respostas sobre este assunto... A) por que o uso de fontes historicas pode ser entendido como porcedimento pedagogico? B) O uso de fontes servem para outas diciplinas, de que forma? C) em que caso se usuária fontes historicas como metodologias de ensino? Aguardo retorno

  • quarta-feira | 07/08/2013 | Tales dos Santos Pinto
    0 1

    Cara Telma. A) É um procedimento pedagógico por possibilitar um processo de ensino histórico ao aluno e de produção de conhecimentos sobre determinado assunto; B) geralmente outras disciplinas utilizam outros tipos de fonte, como em português há a utilização de obras literárias ou outro tipo de textos; C) o autor do texto acima faz uma proposta metodológica de utilização de fonte histórica, com um roteiro baseado em algumas questões. Tales dos Santos Pinto, Mestre em História, Equipe Brasil Escola

Brasil Escola nas Redes Sociais