Cadastre-se

Potenciação Estrelar: aprendendo as operações monomiais brincando

Um dos conceitos mais complicados a serem ensinados no 8°ano trata-se das propriedades dos monômios e de suas operações. Sabe-se que esses são conteúdos que perduram por todo o caminho do estudante. Por isso é importante que se faça um trabalho diferenciado, algo que motive os alunos para a aprendizagem desses conceitos.

O trabalho com atividades lúdicas proporciona interações entre os alunos e o conteúdo que uma aula tradicional não consegue oferecer, contudo, realizar o jogo pelo jogo torna-se algo falho e que foge de uma proposta de ensino. Por isso, uma atividade lúdica deve ser pensada com rigor e elaborada com base nas reflexões acerca das reais necessidades e realidades do contexto escolar de cada professor.

Entretanto, alguns pontos devem ser destacados, pois, independentemente do contexto em que se trabalha, auxiliará o professor em alguns aspectos da implementação da atividade.

Não auxilie nenhum aluno individualmente, pois se isso ocorrer não será possível observar todos os outros, focando sua atenção apenas à dúvida de um aluno. Deixe que o grupo o auxilie, ou então, em sua ficha avaliativa do jogo, anote qual está sendo a dúvida do aluno para auxiliá-lo posteriormente.

  Deixe as regras muito bem explicadas para que não haja confusão durante a execução do jogo. 

  Caso sua sala possua muitas “panelinhas” de alunos, promova o sorteio dos grupos, para que haja interação entre alunos que não costumam se relacionar durante as aulas.

  Esteja constantemente estimulando a cooperação entre os alunos de cada grupo, por mais que seja uma atividade que envolve a competição, deve ser ensinado que deve existir essa cooperação.

  Mesmo sendo uma atividade lúdica, a avaliação deve ocorrer. Para isso, elabore duas fichas: uma para os alunos, na qual eles irão expor os cálculos feitos para cada situação do jogo; outra ficha para você, de modo que facilite as anotações de cada aluno, avaliando os conhecimentos acerca da matemática quanto às atitudes e posturas durante a execução do jogo.

Vejamos a construção deste jogo e suas regras:

NOME DO JOGO: Potenciação Estrelar (Adaptado a partir do jogo Potenciação Floral (LARA, 2003, pg. 121)

Pré-Requisitos:
  Operações monomiais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação)

Número de jogadores: - 6 jogadores por grupo

Materiais:
  6 grupos diferentes de pontas das estrelas (5 pontas) que correspondem à expressão algébrica de um dos miolos.
  6 “miolos” contendo um monômio.


Material referente a um grupo apenas. 

 

Imagem ilustrativa da Estrela

Modo de jogar:

Cada jogador recebe um miolo e 5 pontas da estrela. Cada um deve encaixar as pontas no seu miolo, caso ela contenha como resposta o monômio que recebeu. Em consenso, o grupo escolhe um para iniciar o jogo, onde este mostrará suas cartas para o jogador ao lado, ele não mostrará a expressão que está na ponta, o jogador ao lado escolherá aleatoriamente uma ponta para pegar. Este jogador que recebeu a carta tentará encaixar no seu miolo, depois disso este jogador repetirá o processo que realizou o primeiro, processo que se repete até que um dos jogadores complete sua estrela. Caso um grupo esteja com um número menor de jogadores, serão retirados apenas os “miolos” excedentes, e as pontas serão distribuídas entre os jogadores.

Material utilizado para confecção do jogo:

As estrelas (Miolo e as pontas) podem ser confeccionadas com o material que o professor desejar, mas aconselha-se um material resistente para que o jogo possa ser utilizado posteriormente em outra turma ou em outra oportunidade.


LARA, I.C.M. Jogando com a Matemática de 5ª a 8ª série, 1ªed - São Paulo: Rêspel, 2003.

 


Por Gabriel Alessandro de Oliveira
Graduado em Matemática
Equipe Brasil Escola

Brasil Escola nas Redes Sociais