Cadastre-se

Cultura do Nordeste – Projeto Pedagógico


Bumba-meu-boi, renda de bilro, acarajé e brincadeiras

A cultura nordestina apresenta características das três diferentes etnias que formaram o seu povo: índios, negros e europeus, motivo pelo qual tornou-se muito rica e diversificada.

Estudar as riquezas desse povo, suas raízes culturais, será uma ótima oportunidade de perceber que os aspectos sociais da região nordeste trazem elementos próprios, como a linguagem, os símbolos que representam os fatos históricos ali acontecidos, além da arte, alimentação, etc., num trabalho interdisciplinar (envolvendo todas as matérias).

Levar a sugestão para a sala de aula é uma ótima forma de se perceber qual o centro de interesse dos alunos diante do tema, afinal, são eles os principais intérpretes do processo.

Como o tema é bem abrangente, existe a oportunidade de ser trabalhado em qualquer turma, pois basta que o professor adapte as ideias ao contexto de sua sala de aula.

Dentre as especificidades a serem trabalhadas, podemos destacar as brincadeiras populares do nordeste, que são sugeridas para as turmas de educação infantil; culinária, artesanato, literatura, danças, lendas folclóricas e religião, ficam para as turmas mais avançadas, pois são temas mais elaborados. Aqui seguem apenas sugestões, mas outros temas podem ser inseridos ao projeto, ou mesmo adaptados para outras turmas, pois permite tal flexibilidade.

Para o desenvolvimento do projeto é necessária muita discussão e debate na sala de aula, além de seminários, apresentações, pesquisas, atividades em grupo, atividades experimentais, passeios turísticos, etc. Tudo depende dos objetivos a serem conquistados.

Para uma turma que estuda sobre o artesanato, por exemplo, será muito importante o desenvolvimento de uma pesquisa sobre as mulheres rendeiras, cultura aprendida com as portuguesas, na época do Brasil colônia. Hoje as rendeiras são mundialmente conhecidas, pois seus trabalhos são de uma delicadeza incomparável. Para a confecção das rendas são utilizadas técnicas de bilros, alfinetes ou espinhos de cactos; labirinto, que consiste em abrir pequenos espaços nos tecidos, desfiando-os; e o filé, feito numa trama de rede, muito usado em toalhas, colchas e cortinas.

Com esses estudos direcionados, os alunos têm contato com a realidade cultural da região, fazem contato direto com a produção, podendo inferir conceitos sobre determinada cultura, estrutura de trabalho, de moradia, de vida, refletindo sobre a dignidade desse trabalho pouco valorizado.

Nesse momento cabe propor que aprendam a fazer crochê, sendo que cada um deverá montar um quadradinho, em sala de aula, pois juntarão todas as peças para montar uma colcha.

A culminância do projeto poderá ser uma apresentação, em praça pública, sobre os aspectos estudados, apresentações de danças, peças teatrais, exposição dos materiais confeccionados pelos alunos, enfim, uma forma de dar fechamento ao mesmo, mostrando para a sociedade os valores implantados dentro da escola.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

Veja Mais!
Mário Quintana
Conhecendo a poesia e dinamizando as aulas

Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

  • sábado | 10/08/2013 | gabriela

    acho muito interessante poder ta estudando essa regiao suas lendas,brincadeiras,comidas,cultura...enfim gostei muito

Brasil Escola nas Redes Sociais