Cadastre-se

A Modernização da Agricultura


Mecanização das atividades agrícolas

As atividades agrícolas estão em constante processo de inovação para obter maior produtividade. Nesse contexto, durante a década de 1950, ocorreu de forma mais intensa o processo de modernização da agricultura que envolveu um grande aparato tecnológico provido de variedades de plantas modificadas geneticamente em laboratório, espécies agrícolas que foram desenvolvidas para alcançar alta produtividade, uma série de procedimentos técnicos com uso de defensivos agrícolas e de maquinários.

Todo esse processo ficou conhecido na década de 1960 como Revolução Verde, programa financiado pelo grupo Rockefeller, sediado em Nova Iorque. Sob o pretexto de aumentar a produção de alimentos para acabar com a fome no mundo, o grupo Rockefeller expandiu seu mercado consumidor, fortalecendo a corporação com vendas de verdadeiros pacotes de insumos agrícolas.

Esse programa surgiu com o propósito de aumentar a produção agrícola através do desenvolvimento de pesquisas em sementes, fertilização do solo e utilização de máquinas no campo que aumentassem a produtividade. Isso se daria através do desenvolvimento de sementes adequadas para tipos específicos de solos e climas, adaptação do solo para o plantio e desenvolvimento de máquinas.


Agrotóxicos

O aumento da produtividade agrícola foi expressivo, porém, a Revolução Verde não eliminou o problema da fome, pois os produtos plantados nos países em desenvolvimento (Brasil, México, Índia, entre outros), basicamente cereais, eram exportados em grande parte para países ricos industrializados como os Estados Unidos, Canadá e União Europeia.

Ao trabalhar a modernização das atividades agrícolas em sala de aula é importante abordar o contexto histórico desse processo e apontar os aspectos positivos e negativos.

Solicite aos alunos uma pesquisa sobre as principais características e consequências da modernização no campo, em seguida promova um debate.

Principais pontos positivos:
Grande aumento da produtividade de alimentos;
Aumento da produtividade agrícola em países não industrializados;
Desenvolvimento agrícola;
Expansão da fronteira agrícola;
Desenvolvimento tecnológico.

Principais pontos negativos:
O aumento das despesas com o cultivo e o endividamento dos agricultores;
O crescimento da dependência entre os países;
Esgotamento do solo;
Ciclo vicioso de fertilizantes;
Perda de biodiversidade;
Erosão do solo;
Poluição do solo causada pelo uso de fertilizantes;
Redução da mão de obra rural.

Por Wagner de Cerqueira e Francisco
Graduado em Geografia
Equipe Brasil Escola

Geografia - Estratégias de Ensino - Educador - Brasil Escola

  • terça-feira | 18/02/2014 | Julio Lima

    O tema foi muito bem abordado., sendo bem resumido e bastante claro. este assunto é muito polêmico e de bastante controvérsia, mas foi colocado de uma maneira bem real como aconteceu. Parabéns!

  • quinta-feira | 05/12/2013 | Bia Braz

    Adorei esse site e muito resumido,e eeu entendi bastante.Obrigada pela ajuda tods vcs

  • quinta-feira | 05/09/2013 | eliza

    na minha opnião esse texto está de acordo como a minha pesquisa queria .

  • segunda-feira | 31/05/2010 | Ana Paula

    Olha achei seu texto otimo , muita gente não ententem estes textos mais eu entendo eu vou pedir desculpas por usar o nome de minha professora de geografia

Brasil Escola nas Redes Sociais